Porto Velho,
Rss Canal YouTube Facebook Twitter


Bresser diz que compra e venda de deputados precisa acabar no Brasil

O economista e cientista político Luiz Carlos Bresser-Pereira defende uma reforma política para evitar que a governabilidade dependa da compra e venda de parlamentares; embora honesta, a presidente legítima Dilma Rousseff caiu por não conseguir comprar a turma de Eduardo Cunha; já Temer, denunciado por corrupção, se mantém comprando parlamentares; "É essencial que o problema da governabilidade seja enfrentado. O presidente não pode ser obrigado a 'comprar' os parlamentares para conseguir aprovar seus projetos de lei", diz Bresser Pereira, ao defender o modelo de votação distrital misto, adotado pela Alemanha desde o pós-guerra; "O eleitor vota no candidato do distrito e no partido, sendo 50% dos deputados eleitos por distritos e 50% pelo voto proporcional em listas fechadas apresentadas aos eleitores pelos partidos políticos", afirma

11/08/2017 - [10:43] - Opinião

Por Luiz Carlos Bresser-Pereira, em seu Facebook - Reforma política

O Brasil precisa de uma reforma política. O sistema eleitoral existente (voto proporcional com listas abertas) é adequado para países pequenos e muito desenvolvidos, como os países escandinavos. Em um país grande como o Brasil, dá origem a um parlamento sem representatividade, formado principalmente por parlamentares ou ricos ou corruptos, e torna o presidente eleito sem a maioria necessária para governar.

Os dois critérios fundamentais de uma reforma política que faça sentido para o Brasil são barateamento das campanhas e governabilidade – esta entendida como o fato de o partido que ganha a eleição presidencial eleger um número de deputados substancialmente maior do que a proporção de votos que o partido recebeu.

Ontem a Comissão da câmara que analisa a reforma política aprovou o distritão, que não resolve nem o problema da governabilidade nem o da redução dos custos das campanhas. E resolveu este segundo problema com o aumento com um orçamento de R$ 3,6 bilhões.

É essencial que o problema da governabilidade seja enfrentado. O presidente não pode ser obrigado a "comprar" os parlamentares para conseguir aprovar seus projetos de lei. A forma mais simples e segura de aumentar a governabilidade é instaurar o voto distrital, que é adotado em praticamente todas as grandes democracias do mundo.

Mas, como distorce de forma excessiva a proporcionalidade, a alternativa ideal é o sistema distrital misto, que a Alemanha adota desde o após-guerra: o eleitor vota no candidato do distrito e no partido, sendo 50% dos deputados eleitos por distritos e 50% pelo voto proporcional em listas fechadas apresentadas aos eleitores pelos partidos políticos.

Adicionalmente, é preciso estabelecer cláusula de barreira para reduzir o número de partidos.


Comentários

Preencha o formulário abaixo e clique em "Comentar" para enviar seu comentário


ComentÁrios Facebook


Mais Notícias

publicidade

E-mail: [email protected] - [email protected]

Diretor Comercial Luiz Carlos Ferreira - Jornalista Responsavél Luka Ribeiro

Telefone: (69) 3221 4532 e (69) 3221 4532

Endereço: Av Getulio Vargas 2086 - Sala Comercial 5 , Bairro: Nossa Senhora das Graças - CEP: 76804-114

Cidade/Estado: Porto Velho/RO

É autorizada a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, informando a fonte em nome de Gente de Opinião

Gente de Opinião | Copyright © 2017 | Todos os direitos reservados