Porto Velho,
Rss Canal YouTube Facebook Twitter


Açougueiros de Boi-Bumbá

30/05/2014 - [08:15] - Opinião

Ariel Argobe

No dia 25 de julho de 2010, desembarcou no porto do Cai N’Água, em Porto Velho, vinda direto da ilha de Tupinambarana, a encantadora e novíssima alegoria que magistralmente representava o bumbá de Dona Georgina Costa. Tratava-se de uma verdadeira escultura articulada, confeccionada pelo genial artista parintinense Marcos Azevedo, o ‘Marquinho’, que oculta, sob segredo absoluto, sua formula para confecção do ‘Boi da Tradição’, o Caprichoso. Para o artista, contar detalhes e mostrar como se confecciona um bumbá, isto pode acabar com a magia do festival.

Naquela ocasião, Ariel Argobe teve a honra de recepcionar a nova alegoria e abrigá-la em sua residência, até sua partida para Guajará-Mirim, onde passou a morar no Bairro Tamandaré. O símbolo máximo da Nação Vermelha Branca ali residiu até a data de sua partida para Natal (RN), onde se apresentou pela última vez no dia 23 de maio, na Teia Nacional da Diversidade. Naquele dia aconteceu, literalmente, a matança e esquartejamento do boi de D. Georgina.

O Bumbá foi para Natal intacto e inteiro, mas voltou esquartejado. Isto mesmo! Segundo informações fidedignas, na hora do embarque, de Natal para Porto Velho, quando a dupla dublê de ‘Jack, o Estripador’, um renomado artista da agremiação e seu comparsa, que ocupa relevante posição no bumbá, souberam do valor a ser pago para transportar a alegoria - aproximadamente dois mil reais - então tiveram a infeliz ideia de fatiar, como se fosse bife, a mais relevante escultura da brincadeira de bumbá, objeto que na época custou cinco mil reais - inclusive preço de camaradagem, uma vez que o tripa do Caprichoso (Marquinhos), é muito amigo de Estelina Cunegundes e Ivete Manussakis, que encomendaram a peça para o Festival de Guajará de 2010, e que, nos dias de hoje, não sai por menos de quinze mil reais.

Um Festival que enfrenta problemas dos mais variados matizes, que não aconteceu em 2013 e que corre sério risco de não acontecer em 2014, tem em seu elenco de ‘artistas prata da casa’, gente desta ‘catigoria’, com ‘sensibilidade e perícia de um ‘Jack, o Estripador’.

Se por ventura o Festival Folclórico de Guajará-Mirim entrar realmente em declínio, vindo mesmo a desaparecer, deixando na orfandade e despregados diversos artistas, fica a certeza de que alguns deles serão absorvidos pelos açougues da cidade, onde poderão exercer a profissão de açougueiros.

Tag's:


Comentários

  • Estelina - 31/05/2014

    Amigo Ariel, se de fato isso é verdade, torna-se trágico! Prefiro crer que seja fofoca, embora não duvide de mais nada nessa vida. Mas se for verdade, só lamento!

  • Inajá Monteiro de Souza - 31/05/2014

    Lamentável Ariel, mas você está muito mal informado.

Preencha o formulário abaixo e clique em "Comentar" para enviar seu comentário


ComentÁrios Facebook


Mais Notícias

E-mail: redacao@gentedeopiniao.com.br - gentedeopiniao@gmail.com

Diretor Comercial Luiz Carlos Ferreira - Jornalista Responsavél Luka Ribeiro

Telefone: (69) 3221 4532 e (69) 3221 4532

Endereço: Av Getulio Vargas 2086 - Sala Comercial 5 , Bairro: Nossa Senhora das Graças - CEP: 76804-114

Cidade/Estado: Porto Velho/RO

É autorizada a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, informando a fonte em nome de Gente de Opinião

Gente de Opinião | Copyright © 2017 | Todos os direitos reservados