Porto Velho,
Rss Canal YouTube Facebook Twitter

Ciro Pinheiro

João Ciro Pinheiro de Andrade é colaborador do gentedeopinião. Cearense, 50 anos de profissão, 46 em Porto Velho como redator e colunista do jornal Alto Madeira. É o primeiro jornalista profissional registrado no Ministério do Trabalho, na Delegacia do Trabalho em Rondônia. Fundador do Sindicato dos Jornalistas, ex-presidente; fundador da Associação dos Jornalistas de Rondônia, primeiro presidente. Foi assessor de imprensa de 10 prefeitos de Porto Velho e de três governadores de Rondônia. Foi chefe do Cerimonial do Governo do Estado e da Assembleia Legislativa. Membro honorário da Academia de Letras de Rondônia, Cidadão honorário de Porto Velho e do Estado de Rondônia. CONTATO: ciropinheirojornalista@hotmail.com

CASAMENTO DE MARCIO e EUMA TOURINHO

21/02/2009 - [16:14] - Evento

 

Uma festa diferente.

Virou festa o casamento de Euma Tourinho, juíza na comarca de Cacoal, e Márcio Souza Mamede, delegado federal em Ji-Paraná, uma cerimônia diferente dos tradicionais enlaces matrimoniais, daqueles tantas vezes noticiados pelo avô de Euma, jornalista Euro Tourinho, antigamente colunista social festejado e respeitado na região. A sede social da Associação dos Magistrados de Rondônia, em Porto Velho, foi o local do elegante evento, que teve a presença de mais de 300 convidados, além da família dos nubentes, a elite de Justiça e pessoas de outros estados e do interior de Rondônia.



O CASAMENTO

O casamento mais original deste início de ano foi realizado às 21 horas do dia 14, sábado. O procurador de Justiça Airton Pedro Marin Filho foi o celebrante. Nove casais, ao total, ao som da música “Buscai primeiro o Reino de Deus”, instrumental e cântico, foram padrinhos dos noivos. Márcio, caminhou até o palco acompanhado pela mãe da noiva, Maria Mendonça, emocionada, ao som da música “Jesus Alegria dos Homens” (Bach).

Aplaudidíssima a noiva, Euma, foi conduzida pelo pai Euro Tourinho Filho e pelo avô Euro Tourinho, ao som da música “Pompa e Circunstância”, bem apropriada para o momento. Por último, conduzindo as alianças, entraram o Lucas (filho do casal) e Ana Júlia, ambos de cinco anos. Música: “From this moment on” (Shania Twain).



CERIMÔNIA ORIGINAL

O celebrante, Airton Marin, iniciou o ato solene da consagração do enlace de Euma e Márcio, com a proclamação das promessas matrimoniais: “Esse momento de celebração é, para Euma e Márcio, a materialização do caminho que juntos trilharam até agora e que doravante continuarão trilhando”. Continuou: “Celebrar é contratar publicamente, determinar, estipular cláusulas e, sobretudo neste momento, festejar uma proposta de vida em comum, de boas intenções, de esperança num futuro prodigioso e de bem-aventurança.

O caminho para se chegar até o enlace é longo. Passamos inicialmente pelo burilamento interior, lapidamo-nos através dos caminhos que a vida nos põe a trilhar, e finalmente, aceitamos a pretensão de partilhar a vida com o outro.

Nesse momento é necessário que o amar a Deus sobre todas as coisas esteja acompanhado do amor a si mesmo para que seja possível a aplicação do amar o próximo.



POEMA COMO SERMÃO

O celebrante encerrando o que chamou de “momento de celebração da vida, de celebração do amor”, leu poema de Mário Quintana que “reflete tudo aquilo que nós seres humanos em constante evolução gostaríamos de ouvir no nosso matrimônio, tanto da autoridade eclesiástica quanto daquele que assume o compromisso de ser nosso companheiro ou companheira”.

Mário Quintana mostrou em dez itens sugestões para o sermão do celebrante, destacando, entre outras, essas promessas:

1) Fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados e que não chegaram a se concretizar;

2) Sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelos simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e, portanto, a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela;

3) Que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor;

4) Que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua solidão, que casamento algum elimina.

O poema de Mário Quintana encerra com essa afirmativa, como sugestão ao celebrante: Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros para a vida em comum.”

Durante a cerimônia com o coral conduzido por Marcelo Yamazaki, belos solos de violino (quatro), pianola deleitando a todos, cânticos de glória, de forma perfeita.

A emoção maior sentiram todos quando, durante a assinatura do livro pelos padrinhos, a melodiosa mensagem da Ave Maria de Gounod encheu de ressonâncias lindas, no seu simbolismo, o salão repleto, na voz de um tenor Marco D’Lacqua.

A saída do casal e dos padrinhos, seguiu o mesmo roteiro da entrada, ao som da música “Agnus Dei”, de Michael W. Smith, depois da benção final.



JANTAR, PRESENÇA E FESTA

O jantar, impossível minunciar o “buffet”, tanto foi o requinte das iguarias, As bebidas, tudo servido a gosto e à francesa, inclusive o caldinho da madrugada, de cenoura, laranja e gengibre, no decorrer do animado baile, com a participação da maior parte dos convivas. O casal viajou quinta-feira à noite e tem no seu programa, antes do retorno à vida normal, de muito trabalho em suas nobres funções públicas, viagem romântica à Itália. 



 

Euma Tourinho, juíza, entra no salão de festas do Clube dos Magistrados, conduzida pelo pai Euro Tourinho Filho e pelo avô, jornalista Euro Tourinho
Euma Tourinho, juíza, entra no salão de festas do Clube dos Magistrados, conduzida pelo pai Euro Tourinho Filho e pelo avô, jornalista Euro Tourinho
Abidiel Ramos Figueira (procurador geral de Justiça) com Amélia e a desembargadora Zelite Carneiro, presidente do Tribunal de Justiça
Abidiel Ramos Figueira (procurador geral de Justiça) com Amélia e a desembargadora Zelite Carneiro, presidente do Tribunal de Justiça
O coral

O coral 



O casal diante do celebrante

Os tios de Euma, médico Euderson Tourinho e Ana Maria

O casal diante do celebrante

O casal diante do celebrante


  

Juíza Duília Reis e o marido Mauro Tomal (promotor de Justiça)

Juíza Duília Reis e o marido Mauro Tomal (promotor de Justiça)


 

 
O casal Tâmera (promotora) e Airton (procurador de Justiça), amigos do casal

O casal Tâmera (promotora) e Airton (procurador de Justiça), amigos do casal

 


D. Maria Kang Tourinho, avó da noiva, Ana Maria Tourinho (tia), Penha Pinheiro e Neusa Tourinho, tia.
D. Maria Kang Tourinho, avó da noiva, Ana Maria Tourinho (tia), Penha Pinheiro e Neusa Tourinho, tia. 

 
  

Comentários

  • Isaac Newton da Silva Pessoa - 25/02/2009

    Ciro, emocionei-me com sua descrição do casamento e com a visão das fotos, cada uma a valer por mil palavras, vendo o Euro Sr. sobranceiro, resistente como uma carvalho ou uma samaúma, como chamamos na região, que só tomba diante da erosão do barranco do rio onde eventualmente tenha crescido. O casamento deveria ser vigorsamente estimulado pelo Governo porque é a FAMÍLIA, a unidade social básica, que tem o condão de garantir um Brasil melhor. É uma barreira contra a violência, pois os filhos de mães solteiras e pobres, a maioria, já encaram a vida com 60% a mais de chance de cair na delinquência, segundo dados publicados no livro "Freakonomics". Parabens aos pais da noiva e aos avós, por quem tenho elevada estima, colunas sólidas da sociedade rondoniense, pelo seu nome, tradição e serviços prestados. Se puder fazer chegar ao Eurinho as minhas felicitações pelo enlace, eu lhe agradeço. Tenho-lhe o e-mail, mas não consigo mais entregar uma mensagem há tempos são devolvidos com o aviso de que o endereço dele não consta na yahoo, seu provedor. Dizem que "recordar é viver" embora o verbo mais apropriedado fosse REVIVER. A Bíblia ensina que não devemos dizer: "Os dias que se foram eram melhores do que estes; não é sábio falar assim". Aconselha a encarar o presente e o futuro sem apego ao passado, um viver inativo, sem ação. Não é o caso. De fato, as boas lições, os bons e edificantes exemplos, as velhas amizades, que se valorizam com o passar dos anos como os bons vinhos é que devem ser relembrados pelo prazer que contêm, pela alegria que suscitam. A Bíblia diz ainda que "O que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do Senhor" (Prov.18:22) e "A casa e os bens vêm como herança dos pais; mas do Sehor, a esposa prudente". E o velho Sócrate, Pai da Filosofia, certa vez deu este conselho aos jovens: "Casem-se: se acharem uma boa esposa serão felizes; caso contrário, se tornarão filósofos" ( a esposa do Mestre, Xantipa, cobrava-lhe muito o sustento da casa porque o marido era bom em filosofia mas era mau provedor. Abraço.

Preencha o formulário abaixo e clique em "Comentar" para enviar seu comentário


ComentÁrios Facebook


Mais Notícias

redacao@gentedeopiniao.com.br | gentedeopiniao@gmail.com
Rua Quintino Bocaiuva,3108 - Sala B - Porto Velho - Bairro: Olaria - CEP: 78900-000 - Porto Velho - RO
É autorizada a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, informando a fonte em nome de Gente de Opinião
Diretor Comercial: Luiz Carlos Ferreira - Jornalista Responsável: Luka Ribeiro - Fone: (69) 9981 9082 e (69) 9262 2007
Desenvolvimento: Rodrigo Goes e Alisson Cleiton